Alugando quarto na casa de um anfitrião pelo Airbnb: a nossa experiência e dicas importantes

Que o Airbnb revolucionou o conceito de hospedagem familiar no mundo ninguém duvida – temos vários amigos e leitores que utilizam há tempos a plataforma em busca de uma hospedagem.

Para muitos, alugar uma casa ou apartamento por temporada já não é novidade, mas  nem todo mundo se aventura a alugar um quarto na casa de um desconhecido. Muitos temem a falta de privacidade, acham que não vão se sentir à vontade ou falam de receio pela própria segurança. Por isso resolvemos aqui compartilhar nossa experiência nas quatro vezes em que utilizamos este tipo de hospedagem. Não mencionaremos nomes das cidades e nem daremos detalhes dos anfitriões, a ideia aqui não é expor ninguém, apenas trazer um relato que possa ajudar outros viajantes em suas próprias decisões na hora de optar ou não por este tipo de hospedagem. 😉

Experiência 1)

Local: uma grande capital

Motivo da escolha: ficaríamos apenas 03 dias e estávamos iniciando um longo roteiro de carro, pelo interior. A ideia era gastar menos em hospedagem para reduzir os custos totais e vislumbramos que passaríamos a maior parte do tempo fora de casa.

Nosso anfitrião morava num apt grande de três quartos com um amigo e alugava o terceiro pelo airbnb. Um quarto pequeno, mas com o básico que precisávamos: cama de casal, armário, ventilador, com banheiro no corredor e compartilhado com os moradores. O anfitrião era muito limpo e cuidadoso, e todas as dependências da casa eram muito bem organizadas.

Logo que chegamos nos mostrou toda a casa, exceto o próprio quarto e o do amigo. Nos deixou a vontade para usar a cozinha, passou a senha do wifi e nos deu algumas dicas sobre os arredores, incluindo questões de segurança.

Ele trabalhava em home office até muito tarde, no próprio quarto. Então quase sempre quando acordávamos pela manhã ele ainda estava dormindo. Nossos encontros em geral ocorriam ao final da tarde, quando voltávamos de algum passeio  e tomávamos um café juntos, na cozinha. Sempre muito formal e gentil, pareceu-nos ser acolhedor na medida, sem ser invasivo.

O amigo estava viajando e só retornou no último dia de nossa estadia. Igualmente gentil.

Enfim, consideramos esta uma experiência muito positiva.

AVALIAÇÃO FINAL: Muito bom!

REPETIRÍAMOS? Sim!

images

Imagem: Dreamstime

Experiência 2)

Local: cidade de interior, mas famosa por atrativos naturais.

Motivo da escolha: poucas opções de hotéis e pousadas associado aos atrativos naturais tornavam os preços bastante salgados, então o quarto surgiu como uma alternativa financeiramente mais viável.

Uma casinha simples de interior, onde viviam pai, mãe e um bebê. Logo na primeira  tarde o anfitrião nos levou ao supermercado e a noite fomos todos juntos a um bar.

O problema maior foi em relação à organização da casa: a cozinha era meio caótica e nem sempre eles lavavam as louças após usar. A geladeira era cheia, confusa e não nos foi destinado um local específico para colocar nossas coisas, então guardamos o que compramos em determinado espaço e no dia seguinte eles haviam reorganizado ao modo deles. O banheiro era compartilhado, o que por si não é um problema, mas carecia de uma limpeza melhor. O casal passava a maior parte do tempo em casa, e estavam quase sempre na cozinha fazendo alguma coisa: conversando, cozinhando, brincando com o bebê, o que nos dificultou um pouco utilizar a cozinha para preparar nossas refeições. Num dia combinamos entre nós de fazer nosso almoço mais tarde, para tentar evitar o “rush” deles na cozinha, rs.

Por ser interior a casa recebia também alguns vizinhos, a porta estava sempre aberta, então aquela soneca de tarde após os passeios era um pouquinho prejudicada.

Apesar disso, a interação com os anfitriões foi ótima, além de nos darem várias dicas acerca dos passeios pelos atrativos naturais  pudemos conversar sobre vários assuntos e ter uma experiência muito genuína dos hábitos locais. Como ficamos pouco tempo em casa e durante apenas 04 dias os problemas citados não chegaram a incomodar tanto, então consideramos a experiência bem satisfatória.

AVALIAÇÃO FINAL: De razoável a bom

REPETIRÍAMOS? Até que sim, pensando pelo lado da economia de grana e da interação. Se houvesse outra opção melhor e dentro de nosso orçamento poderíamos tentar outra opção, ainda que pagando um pouco mais.

Experiência 3)

Local: uma grande capital.

Motivo da escolha: preço muito barato. O preço estava abaixo da média dos demais quartos na mesma região, mas como as opiniões eram muito boas resolvemos arriscar.

Alugamos este quarto por duas noites, para ir a um show na cidade em questão.

A anfitriã, super host no airbnb, era simplesmente excelente, parece que tinha nascido para esta função. Super educada, porém respeitosa e nem um pouco invasiva. Nos mostrou a casa e logo na chegada já mostrou o local que havia separado na geladeira para que pudéssemos colocar nossas coisas. O apartamento era uma graça, bem limpo e arrumado. Conversamos sobre sua terra natal, local que ainda não conhecíamos, contamos um pouco da nossa. Ela não trabalhava fora, mas ficava a maior parte do tempo no próprio quarto assistindo TV, e nos deixava muito a vontade no apartamento. Tudo muito limpo e organizado. Deu dicas sobre os arredores e sobre o deslocamento para o local do show. Afetuosa e presente na medida certa.

Experiência excelente.

AVALIAÇÃO TOTAL: Excelente!

Repetiria? COM CERTEZA!

Experiência 4)

Local: cidade de interior, famosa por atrativos culturais.

Motivo da escolha: pelo perfil do anfitrião no anúncio do airbnb identificamos várias afinidades e achamos que poderia ser uma ótima experiência de troca.

Esta foi a cereja do bolo de nossas escolhas de quartos. O apartamento era simples, mas muito arrumado e bonitinho, exatamente como nas fotos. O anfitrião foi muito querido e gostou muito de saber que os escolhemos por afinidade. Compramos o vinho e ele fez um jantar para nós, ficamos boas horas ao redor da mesa, conversando. Numa outra noite nos levou para sair a noite. Deu pena de ir embora. Nos tornamos amigos no Facebook e até hoje mantemos algum contato. Uma experiência riquíssima e agregadora, do jeito que nós gostamos!

AVALIAÇÃO TOTAL: Excelente!

Repetiríamos: Sem sombra de dúvidas.

Estas 4 experiências nos mostraram que uma experiência nunca será igual a outra: tem anfitrião mais distante, anfitrião mais próximo, mais organizado, menos organizado, etc e etc. Inclusive tem aqueles que entendem que hospedar um viajante em sua casa é mais do que oferecer um quarto e buscam interação – outros já entendem a relação como algo mais comercial mesmo e ficam mais ausentes. Não vemos nenhum problema quanto a isso, é muito do perfil de cada um mesmo.

Experiêcia ruim, ruim mesmo não tivemos – acho que a pior foi a estada na casa do casal desorganizado, mais por questão de organização e limpeza mesmo do que por eles, que eram pessoas legais e nos proporcionaram uma troca muito rica.

Em geral recorremos a quartos apenas em situações em que já sabemos de antemão que ficaremos a maior parte do tempo na rua ou quando o preço do espaço completo ou de um hotel é de fato muito impeditivo ao nosso orçamento.

Enfim, cada experiência é única e nós recomendamos muito que você tente, ao menos uma vez, hospedar-se num quarto na casa de outra pessoa. Definitivamente, ser acolhido por um anfitrião local muda muito toda a experiência da viagem, e até hoje tivemos sorte em encontrar pessoas que só enriqueceram nossa vivência. Mas reconhecemos que a viagem pode, também, ser negativamente afetada se a escolha não for boa.

anfitriao-airbnb-2.jpg

Imagem: Fora de Casa

Então, para ajudar em sua decisão, selecionamos algumas dicas que tomamos de nossa própria experiência:

  • Leia o anúncio com muita atenção identificando todas as regras de utilização do espaço e de convivência que o anfitrião determina. Já ouvimos relatos de pessoas que alugaram um espaço e que precisavam utilizar a cozinha, porém estava bem claro no anúncio que o espaço não estaria disponível. Ou de gente que precisaria receber uma visita, porém o anúncio vetava tal possibilidade. Não tem como reclamar depois, né?
  • Atente-se às avaliações dos hóspedes anteriores. Nós nunca nos hospedamos com anfitriões que não tinham avaliações prévias (embora não seja um critério de exclusão definitivo), e geralmente damos preferência àqueles com o maior número de hospedagens e relatos positivos. Leia todas as avaliações com atenção e identifique nas descrições problemas e situações cotidianas na casa que podem significar um ponto de conflito para você.
  • Nós sempre gostamos de levar um mimo de nossa terra: já presenteamos com doce de leite e goiabada. São coisas que em geral nós conseguimos a um preço melhor e é bem delicado presentear quem vai te hospedar. Ainda que haja um pagamento para isto, estamos adentrando a moradia da pessoa e muito possivelmente teremos um contato mais próximo, então um gesto amigo de chegada é muito bem vindo.
  • Nós particularmente achamos melhor quando o anfitrião já define as “regras do jogo” logo de início, especificando o que pode ser usado por nós, como espaços na geladeira, cozinha, etc. Porém nem todos o fazem e neste caso perguntar parece o ideal. Tudo que é combinado e conversado antes não sai caro.
  • Quando estamos na casa de outra pessoa nos preocupamos em dobro com a limpeza e organização do espaço. Se cozinhamos lavamos tudo logo após a refeição, o banheiro sempre deixamos limpo e todas as demais dependências que usamos idem. Todas as nossas coisas ficam no nosso quarto, não deixamos nada espalhado no banheiro, nem na sala. É importante ter em mente que não estamos na nossa casa e nem em hotel.
  • Nem todo anfitrião permite que o hóspede receba visitas, nós nunca precisamos receber, mas já lemos sobre conflitos neste sentido: o hóspede meio que entende que por ter alugado o quarto pode levar quem quiser, o que não é verdade. O quarto faz parte da casa do anfitrião e para levar outra pessoa é essencial a anuência deste. Inclusive muitos cobram como hóspede extra, o que nos parece justo.
  • Cada anfitrião tem um perfil diferente: tem aquele que gosta de conversar, o mais calado, o que entende a relação airbnb meramente como um negócio, o que quer virar amigo… é importante entender com o qual tipo de anfitrião estamos lidando até mesmo para entendermos a melhor forma de se portar na casa dele.
  • Em todas as vezes que alugamos quarto, recebemos a cópia da chave logo no primeiro dia. Creio que a maioria dos anfitriões o façam, por uma questão de praticidade e independência para o hóspede. Caso não o faça é importante perguntar sobre.
  • Na fase da escolha: nós particularmente avaliamos e muito o perfil do anfitrião. Tendemos a escolher aqueles que se afinam em gostos conosco. Ainda que se trate de um anfitrião que fique pouco em casa ou faça o estilo mais distante quase sempre há alguma interação e acreditamos que este contato é boa parte da experiência da hospedagem em si. Gostamos de conversar e compartilhar momentos então preferimos os anfitriões mais amistosos e próximos, mas que obviamente respeitem nosso espaço e liberdade. Investir em trocas de mensagens antes de fechar a hospedagem podem ajudar a entender este perfil.
  • Especialmente para mulheres, é importante atentar-se à questão de segurança. Nós sempre nos hospedamos juntos, mas acho que se eu, Vanessa, estivessse sozinha, daria preferência a uma anfitriã mulher ou me atentaria ainda mais às avaliações de hóspedes anteriores. E na dúvida, se não estiver se sentido seguro, vá embora. Em até 24 hs podemos sair do local, reportar qualquer problema ao airbnb e pedir ressarcimento do valor.
  • TENHA SEMPRE UM PLANO B: Esta regra utilizamos para qualquer hospedagem no airbnb, não apenas para quartos. Vale muito já deixar uma listinha de hotéis mais próximos e acessíveis ao bolso na mão, para saber onde buscar abrigo em caso de algum contratempo.

Se abrir para experimentar novas possibilidades de hospedagens é uma excelente forma de viabilizar a viagem (especialmente em locais com custos acima do orçamento) e também de viver novas experiências. Você já se hospedou deste modo? Compartilhe sua experiência conosco.

Compartilhe:

oqueijovainamala

Um casal mineiro que ama viajar e conhecer novos lugares, mas acima de tudo busca experiências e novas histórias para ouvir e contar.

Você pode gostar...

10 Resultados

  1. Hebe disse:

    Adorei seu post, nunca fui para um airbnb, mas foi muito bom saber das suas experiências

  2. Maiara Barbosa disse:

    Acreditam que nunca usei Aibnb? Já cheguei a cotar, mas acabei optando por hostel mesmo. Tenho muito curiosidade, mas um pouco de receio ainda rs.
    Acho que depois dessa, vou tomar coragem! =)

  3. Camila disse:

    Foi mt bom ler sua avaliação! Nunca fiquei em airbnb e tinha mts duvidas sobre essas questoes.. especialmente privacidade e segurança

  4. Demais esse post hein! Sempre vejo a opção do Airbnb, que muitas vezes é mais vantajoso. Nem sempre apenas pelo preço, mas pela experiência mesmo, né?

  5. Juliana disse:

    Muito massa o artigo. Eu já me hospedei varias vezes mas sempre alugando o apartamento inteiro, nunca peguei apenas o quarto e foi bom ler estes relatos! Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *