Banho de Floresta – Perguntas e Respostas

Nosso último post sobre a prática japonesa do Banho de Floresta gerou uma repercussão tão positiva que resolvi estender um pouco mais do assunto. Recebemos muitos comentários aqui no Blog, no Instagram e também de pessoas próximas e amigos que nos acompanham querendo saber mais da prática e falando do desejo de praticá-la na próxima viagem.

Decidi então fazer um post com algumas dicas mais objetivas para quem quer executar a prática. Ele foi inspirado nas principais dúvidas e comentários que recebi.

Preciso ter alguma experiência prévia?

Não, de jeito algum. A prática do Banho de Floresta é muito simples e consiste em passar algum tempo em conexão com a natureza. É estar na natureza e se conectar efetivamente com ela. Pode ser alguns minutos apenas prestando atenção ao som do vento, das folhas balançando, dos pássaros…. se a mente te levou para outro lugar, tudo bem, nossa mente é assim mesmo. Apenas retome de um modo gentil e volte a atenção aos sons da floresta. E de novo e de novo…

Podemos também usar o tato, tocando as árvores, as pedras…ou caminhando descalço de um modo lento e sentindo cada movimento do corpo, o contato da sola dos pés com o solo. Respirar de modo consciente e profundo ajuda muito também nesta conexão.

Imagem de Free-Photos por Pixabay

Por quanto tempo devo praticar?

Pelo tempo que você se sentir confortável. Entenda que este é um processo em que você se presenteia com um momento de pausa, e que vai usar a natureza como auxílio. Ele pode durar alguns minutos ou horas. Não há necessidade de qualquer registro temporal, apenas escolha um lugar confortável perto da natureza, escolha uma posição confortável (deitado, sentado, como ficar melhor) e se entregue aos estímulos que a natureza lhe dá, tanto auditivos, quanto visuais, como táteis… 

Quando sinto que já estou mais tranquila e que “já deu”, eu agradeço a natureza pela acolhida e me vou. Simples assim.

Imagem de Benjamin Balazs por Pixabay 

Dá pra fazer no meio de uma outra viagem com mais atividades programadas?

Dá sim. Eu gosto muito de fazer algumas viagens exclusivas para a prática, mas para não me alongar muito no post vou falar disto em outro momento, mas é muito possível que você faça a prática do Banho de Floresta em qualquer contexto: viagem familiar, com a turma, etc.

Apenas aproveite aquele momento em que você estará na natureza e reserve alguns minutos para a prática. 

Imagem de RitaE por Pixabay 

Onde fazer o Banho de Floresta? Preciso mesmo estar no mato?

Bem, a ideia é estar na natureza, seja ela a possível. Pode ser uma mata, um jardim, uma praça, uma montanha e até mesmo uma praia. A questão é que quanto mais estímulos externos você tiver, talvez fique um pouco mais difícil se conectar com os estímulos que a natureza te dará, mas não é impossível, só provavelmente vai exigir um pouco mais de prática. 

Imagem de Hermann Traub por Pixabay 

Como encontrar um lugar legal para praticar?

Eu gosto muito de locais silenciosos e com o menor número possível de estímulos que não os da natureza. Neste sentido prefiro se, em viagem, alugar uma casinha privativa pelo Airbnb a hotel ou pousada. Ainda que estes tenham uma área verde bacana, a chance de você ter que compartilhar o espaço é um pouco maior.

Se você gosta de ter algo mais estruturado mesmo, procure uma pousada que ofereça acomodações mais no estilo chalé e certifique-se se há uma boa área natural que lhe pareça permitir alguma privacidade e sossego.

Para quem curte acampar, este pode também ser um ótimo momento para praticar, especialmente em acampamento selvagem.

Imagem de Free-Photos por Pixabay 

Na própria cidade é possível praticar de um modo mais “adaptado” em parques e praças. Já faz um bem danado apenas caminhar descalço numa área gramada, por exemplo.

Devo estar sozinho ou posso fazer acompanhado (a)?

Acho bem possível fazer acompanhado desde que quem está com você também esteja imerso na prática. Trata-se de uma prática contemplativa, sensorial e acima de tudo, silenciosa. 

Se não for o caso, vale a pena se despedir do grupo e/ ou companhia e dizer que você precisa de uns minutinhos sozinho para a prática. 

Imagem de rawpixel por Pixabay 

O que devo levar?

Sempre passo repelente, afinal, estamos na natureza. Gosto também de levar uma canga, para me sentar e um lenço que cubra meus braços, apenas como proteção caso eu sinta frio, algo assim.

Se for fazer a prática em local muito distante, considere levar todos os itens indicados para fazer uma trilha, como comida, água, remédios, kit de primeiros socorros, chapéu, protetor solar, etc.

Imagem de Free-Photos por Pixabay 

Dicas Finais para seu Banho de Floresta:

Se quiser fotografar, faça ao início da prática e desligue o telefone. Só volte a pegá-lo quando entender que a prática já se encerrou.

Por questão de segurança eu só pratico sozinha quando vou para algum “mato” que não fica muito distante de onde outras pessoas estão ou que seja um ambiente seguro. Sempre Leonardo ou mais alguém saberá onde estou. Não dá pra desconsiderar o aspecto “segurança” ao escolher o local da prática.

Quando estou em área de mata mais fechada eu evito deitar e fechar os olhos por longos períodos por receios de bichos, especialmente cobras. Prefiro ficar sentada e utilizo a visão para observar as cores da mata, formiguinhas em seu trajeto, folhas caindo, o vôo dos pássaros…mas assim capto também visualmente algum estímulo que possa ser perigoso.

Leia AQUI nosso post falando da prática do Banho de Floresta

Salve no Pinterest e consulte sempre que quiser

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Deyse Marinho disse:

    Já havia lido seu texto anterior e esse sem dúvida foi muito bom para esclarecer as dúvidas e complementar as informações. Muito obrigada por compartilhar! Preciso e logo de um looongo banho de floresta!

  2. Camila disse:

    Nunca tinha ouvido falar! Achei muito interessante, parece libertador! Vou tentar!

  3. Maiara disse:

    Nunca tinha lido sobre esse tema antes e seus apontamentos foram bem esclarecedores. Acho super importante a gente se ligar com a natureza mesmo, até quando viajamos =)

  4. LUCIO FABIO DA COSTA JUNIOR disse:

    Adorei as informações e dicas do post. Não conhecia a prática. Integrar-se à natureza é reenergizante. Lindas fotos selecionadas e texto esclarecedor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *