Chalé Sol Poente: nossa hospedagem (e refúgio) em Lavras Novas

Eu sempre fui apaixonada por Lavras Novas e digo que o distrito de Ouro Preto é o meu “lugar no mundo”. Amo as casinhas, as ruas de pedra, as montanhas…

Lavras Novas tem um cheiro que considero especial. Sempre o senti como algo adocicado, um cheiro de melado, cana. Até que Leonardo descobriu que o aroma provinha da lenha queimada. Mesmo tendo sentido este cheiro em outras cidadezinhas que visitamos eu sempre acho que em Lavras Novas é diferente. É mais intenso.

Sempre que queremos descansar é pra lá que nós vamos e já há muitos anos nos hospedamos no mesmo chalé. Vimos o anúncio pela primeira vez num site local, e acertamos tudo direto com a proprietária e desde então sempre que queremos reservar nos comunicamos por email ou whatsapp. Numa das estadas tivemos a oportunidade de conhecê-la pessoalmente, um amor de pessoa!

DSC_0939.JPG

Catarina estacionada na entrada do chalé: um pequeno portão de madeira dá acesso ao jardim e seguindo este caminho de pedras a gente chega na casinha (na foto, a visão de quem já está dentro da propriedade)

DSC_1081.JPG

Foto no mesmo local, só que agora com a visão para o chalé. Ele é a construção em cor tijolo, ao fundo

O chalé fica num terreno onde tem outro chalé vizinho (é da irmã da proprietária do “nosso”).

DSC_1156.JPG

Os dois chalés: o “nosso” é o cor tijolo

DSC_0912

O jardim é um espetáculo à parte: logo na entrada, um caminho de Lavandas

DSC_0917

Visão de frente do chalé: o janelão de vidro dá de frente para as montanhas

 

No andar debaixo: cozinha, salas, um quarto com duas camas e um banheiro.

DSC_0926

Detalhes da decoração

DSC_0933

Poltronas e rede com vista privilegiada

DSC_0934

Detalhes e delicadezas

DSC_0937DSC_0938DSC_0932

DSC_1091

TV a cabo, wifi e vários DVD´s

DSC_1092

Sala de jantar e cozinha: o chalé é super bem equipado e permite o preparo de todas as refeições

DSC_1095

Ainda no primeiro piso, quarto com duas camas de solteiro

DSC_1096

Banheiro do andar inferior: o de cima é idêntico

 

No andar de cima: quarto com cama de casal e um banheiro. (Esqueci de fazer fotos)

A casa é apaixonante. A decoração é leve, colorida, delicada, bonita. Motivos budistas estão espalhados pela casa e dão uma leveza ainda maior ao espaço.

DSC_1098.JPG
 

No jardim, uma pedra serve como deck natural para contemplação. É lindo! A gente passa um bom tempo lá, só espiando nossas queridas montanhas.

DSC_0886.JPG

Cachorrinho que nos acompanhou nos passeios e pulou o portão para vir atrás da gente. Ficou lá, de boas

DSC_0898.JPG

A localização é perfeita: fica numa rua sem saída, a uns 5 minutos de caminhada da avenida principal. Ou seja, a gente tá perto de tudo, mas de modo mais resguardado. Então mesmo num final de semana ou feriado, na casa dá pra ter muito sossego.

Quase sempre passamos todo um final de semana só curtindo a casa, o jardim e as montanhas. A gente costuma sair para dar uma volta de dia e só. Como sair deste lugar tão lindo?

DSC_0911

Decoração do jardim

DSC_0921

Fazendo amigos

DSC_1045

Esperando o Pôr do sol

DSC_1048

A casa tem uma energia especial, não sei explicar. Só indo e sentindo. Vá por mim, você não vai se arrepender.

DSC_0941

Bandeiras com orações budistas ornam o jardim: diz a tradição que quando o vento bate, as orações se espalham

DSC_1062DSC_1080DSC_1101

O espetáculo da natureza, visto do chalé:

DSC_1134

DSC_1137

Muitas estrelas

DSC_1150

Acordamos cedo e as montanhas estavam encobertas. Aos poucos a neblina vai se dissipando

Esperamos de verdade que você tenha momentos incríveis no chalé, ele é realmente mágico.

DSC_1108.JPG

O “nosso” lugar

 

Chalé Sol Poente

Lavras Novas, Ouro Preto, Minas Gerais
Link no Booking: Chalé Sol Poente

Contatos: Ludmila ( ludyoga@gmail.com )

Obs: O chalé vizinho, da irmã de Ludmila, também é alugado e comporta mais pessoas. Para grupos grandes é possível negociar a locação dos dois.
 

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *