Como economizar em viagens

Sempre escutamos muito de amigos e familiares: nossa, mas vocês viajam muito! É verdade, viajamos sim. Nas férias, em feriados, em finais de semana, a gente tá sempre dando um jeitinho de pegar estrada.

Vira e volta aparece alguém que toca na questão da grana e a gente se surpreende bastante quando, os mais próximos, tentam arriscar quanto custou determinada viagem. Quase sempre erram de modo grosseiro no valor, só que pra cima. 😀

Embora estejamos quase sempre viajando, a verdade é que gastamos bem pouco, considerando outros amigos e viajantes que acompanhamos. Neste post, de um modo mais sucinto, reunimos algumas dicas de ferramentas e estratégias que nos ajudam E MUITO a viajar cada vez mais.

Passagem aérea

É bem sabido por todos nós que as passagens aéreas encareceram muito nos últimos anos. Sempre pesquisamos a passagem que queremos com bastante tempo de antecedência, alguns sites e apps permitem inclusive que cadastremos o destino pretendido e recebemos alertas sempre que uma passagem baixou o preço, vale a pena!

opengraph_solid

Existem vários buscadores, mas o que mais gostamos e utilizamos é o Sky Scanner: este site/aplicativo tem o diferencial de permitir busca sem datas definidas e também sem destino definido, considerando apenas o valor que se pode pagar. É bem legal pra quem tem a grana contada e topa ia para um destino “surpresa” por exemplo. A interface é simples, bonita e fácil de usar.

Dizem que  melhor período para comprar a passagem é entre 2 a 3 meses para nacionais e com pelo menos 6 meses de antecedência para vôos internacionais. Mas se o destino e a data já estão definidos, vale cadastrar no site/app o trecho pretendido e pedir que eles emitam alertas, caso haja alguma baixa nos preços a gente já é informado.

Outra forma clássica de economizar nas passagens é o uso de milhas. Nós ainda estamos engatinhando neste terreno, mas nosso amigo @alanviaja é mestre no assunto. Com ele aprendemos a ficar de olho nos programas de ponto das companhias aéreas. Leia mais sobre os programas neste post do site Catraca Livre.

62ce264d69d6b0793eeeefa275a3943729616817

Foi dele a incrível dica do aplicativo Oktoplus: nele podemos cadastrar todos os programas de pontos do qual participamos no mesmo lugar e o app avisa por email quando estamos com pontos a expirar. Na mesma tela a gente vê quanto tem de pontos em cada programa, o vencimento destes e inclusive quanto vale em dinheiro nossos pontos se resolvermos vendê-los. Você pode também associar sua conta a de outro usuário, nós conectamos as nossas e conseguimos ter uma dimensão mais global de nossos pontos, ajudou e MUITO o nosso gerenciamento. 

Sobre venda de pontos: Existem sites como o 123milhas e Maxmilhas que compram suas milhas. Aprendemos  com Alan que quase nunca é vantajoso vender as milhas, o valor pago nunca corresponde ao valor de compra delas. Contudo certa vez tive que vender minhas milhas smiles, porque esqueci de usá-las e faltavam tipo duas semanas para elas vencerem e eu não achava nenhum vôo para algum lugar que me interessasse com o saldo que eu tinha. Daí vendi 8mil milhas pela Maxmilhas em junho deste ano e recebei algo em torno de R$ 180,00. Não é nada, não é nada, ao menos fiz uma graninha com milhas que seriam simplesmente perdidas.

No trajeto de carro:

 

download

Vai de carro? Cogite dar/pegar carona em alguns trechos. Um app chamado Blablacar permite que o motorista ofereça caronas partindo e chegando de qualquer lugar do Brasil. Nós já pegamos muitas caronas e demos também. Neste caso é muito importante, por segurança, se atentar às avaliações dos motoristas e caroneiros – todos recebem notas e são avaliados em cada viagem: o motorista avalia o caroneiro e vice versa.

Existem também muitos grupos no Facebook e até em Whatsapp só para quem oferece e busca caronas em determinados trechos. Eu, Vanessa, faço parte de alguns destes grupos tanto no face quanto no whats, pois frequentemente viajo de BH à Juiz de Fora, para visitar os familiares. Em geral acaba que a gente meio que já se torna conhecido, mas se eu não tenho nenhuma referência da pessoa eu tenho preferido o Blablacar, onde ao menos eu consigo ver a avaliação do motorista. Se fico desconfiada, não peço a carona.

Outra dica importante é sempre ter água, papel higiênico e lanches. Além de ajudar a economizar com comida na estrada, estes itens são de primeira necessidade. Ainda que a ideia seja parar para comer algo, um acidente ou obra na estrada  pode fazer a gente passar fome ou maus bocados sem banheiro, é um perrengue.

20170928_142145

Lanchando meu salame, toda fina, numa estrada qualquer

Na hospedagem

Planejar-se com antecedência é essencial para conseguir bons preços. Nós já tivemos a experiência de deixar pra reservar em cima da hora ou até mesmo chegar numa cidade sem reserva e sair procurando e foi péssimo. A gente perde muito poder de pesquisa e barganha neste momento e acaba às vezes caindo num lugar mais caro ou com custo benefício ruim por falta de opção.

Pesquisar em sites variados também é importante. Para hotéis e pousadas a gente por hábito sempre olha o Booking, mas numa vez estávamos de olho num determinado hotel e da noite para o dia o preço subiu 40%. Daí comecei a pesquisar preços do mesmo hotel no google e descobri que nos sites Hoteis.com e Expedia o preço ainda estava o antigo: reservei pelo Hoteis.com e economizei 40% do valor.

Se for possível, tente, antes de fechar a reserva por um destes sites, ligar no hotel e verificar o valor direto com eles. Não é incomum os valores serem 10% mais baratos, pois muitos aumentam o preço nestes sites justamente para poder cobrir o valor cobrado pelo site para manter seus anúncios lá.

Prefira reservas com cancelamentos gratuitos. Cada hotel tem sua política de cancelamento, alguns oferecem cancelamento gratuito até a hora do check-in, isto é ótimo para não perdermos dinheiro em casos de imprevisto. Tem alguns que cobram 50% da diária em datas bem próximas do check-in (tipo, 05 dias antes), o que achamos bem razoável. Evitamos sempre aqueles que já cobram algum valor em caso de cancelamento independente do período, aí é certeza de perder dinheiro caso ocorra algum contratempo que inviabilize a viagem.

Para estadias maiores utilizamos mais o Airbnb. Na plataforma podemos reservar espaços completos e quartos em casa de anfitriões pelo mundo todo. O custo quase sempre é melhor do que o de hotel e a gente costuma, em viagens mais longas, preferir o espaço completo, até para poder cozinhar e lavar roupas, dois itens que ajudam e MUITO na economia.

DSC_0474.JPG

Nosso Airbnb em Campos do Jordão, uma cidade de hospedagens habitualmente caras. Conseguimos uma casinha de 2 quartos, super aconchegante e bem equipada. Vejam, não há luxo, mas tínhamos todo o básico para uma boa estadia. A noite só saímos para comer na cidade uma vez (e nos arrependemos, gastamos muito e nem valeu a pena), nas demais a gente mesmo fazia uma comidinha e tomava um vinho no aconchego na nossa “casinha”. Tem trem melhor? Veja sobre nossa casinha aqui

No Airbnb existem também variadas opções de cancelamento e nós evitamos a política rigorosa – tentamos sempre reservar os locais com política flexível ou moderada.

Se a viagem é num esquema bem econômico mesmo e o viajante não se incomodar em perder um pouco de privacidade e conforto, pode também recorrer à Hostels e Campings. Ah, e sempre aquela opção de ficar na casa de um amigo.

Por fim citamos também o Couchsurfing. Trata-se de uma plataforma onde usuários oferecem pouso a viajantes em suas casas, e se hospedam também, sem nada pagar, num esquema colaborativo. Assim cada membro vai criando uma reputação, o que torna a plataforma mais confiável.

Nossos amigos do Blog Cores do Mundo deram detalhes desta modalidade de hospedagem colaborativa, dêem uma olhadinha no post deles.
 

Alimentação

Cozinhe, sempre que possível. Isto é bem mais fácil quando estamos num Airbnb com cozinha ou Hostel com cozinha compartilhada, mas  alguns hotéis e pousadas oferecem também minicozinhas de uso coletivo ou microondas no quarto. Se a ideia é economizar vale de tudo! Claro que em viagens dificilmente vamos preparar grandes banquetes, mas um bife com arroz ou um macarrão saem bem rapidinho. 

Quando alugamos Airbnb sempre levamos um kit básico de insumos, coisas que vamos precisar mas não em grande quantidade: levamos alho, sal, pimenta do reino, azeite, fósforo e pó de café com suporte para coar e filtro. Um sabão de côco também quebra um galho enorme: serve para lavar louças, roupas e pode ser usado até no banho!

20170910_101745.jpg

Cozinha do nosso Airbnb em Monteiro Lobato/SP (setembro/2017): super deu pra fazer café da manhã e uns jantarzinhos

Nunca saia desprevenido. As vezes a gente acaba comendo algo que não quer e caro porque simplesmente saiu pra bater perna o dia todo e esqueceu de pensar que uma hora apertaria a fome. Então ter sempre uma fruta, barrinha de cereal, castanha, biscoito e água na mochila ajudam bastante. A gente em geral deixa pra comer naquele lugar que a gente quer mesmo comer e não somente porque é o que tem pra hora. Antes de viajar já pesquisamos as indicações de restaurantes e bares do local e só gastamos nosso suado dinheirinho naqueles que realmente parecem valer muito a pena. 

20170927_125159.jpg

Lanches de trilha: quando já sabemos que vamos ficar o dia inteiro andando nos “matos” e não teremos como comer, ou a opção possível não nos agrada (seja pelo valor ou qualquer outro aspecto) a gente leva nossa “marmita” e rola piquenique mesmo!

Pesquise os locais antes. Nós gostamos muito de comer em bons restaurantes e de provar da culinária local dos lugares que visitamos, mas ficamos profundamente chateados quando pagamos caro numa comida que não vale seu preço. Por isso a gente habitualmente pesquisa antes no Guia4 rodas e no Trip Advisor e já faz uma listinha dos lugares, pelas opiniões. Então a gente meio que define onde vamos gastar mais antes. Isso ajuda bastante a não ter surpesas desagradáveis e também a meio que já ir preparado financeiramente, uma vez que quase sempre no Trip Advisor as pessoas comentam dos valores praticados.

DSC_0209.JPG

Refeição do restaurante Sabor e Arte, que fica na rua principal de Alagoa/MG. Na porta um banner avisa do prato do dia: super simples, barato e saboroso. Gostamos tanto que voltamos no dia seguinte

Passeios

Sempre que possível nós tentamos fazer nossos passeios de modo independente. Pesquisamos muito antes de iniciar a viagem, leia aqui sobre as principais ferramentas que utilizamos em nossas pesquisas.

Contudo em alguns locais (alguns atrativos naturais, por exemplo) exigem a presença de guia ou contratação de passeio. Daí não tem muito mistério: é pesquisa mesmo! Antes de sair em viagem eu costumo mandar emails, directs no face e instagram das empresas para já saber valores e poder escolher o que melhor me atende. Anoto tudo numa planilha, conforme as respostas vão chegando.

Em passeios na natureza o preço pode também cair se você estiver num grupo maior, muitos guias cobram por grupo e o valor pode ser rateado pelos participantes. Informe-se nas empresas de passeios sobre esta possibilidade.

Museus e centros de visitação costumam oferecer entrada gratuita em algum dia da semana, então vale a pena se organizar para tentar visitá-los no dia free, embora a tendência é que no dia gratuito o local esteja mais cheio.

DSC_0002.JPG

Campos do Jordão é uma cidade de atrativos caros, mas descobrimos o Parque Estadual da cidade, que cobra uma entrada bem mais “suave” e é lindo. Veja AQUI

Compras

Nós somos muito pouco consumistas e raramente compramos muito nas viagens pelo simples fato de já não comprarmos muito no cotidiano. Quase sempre a gente compra comida e itens que consumimos pela estrada mesmo. Quando achamos algo que realmente vale a pena a gente traz, mas é bem raro.

Para quem gosta de comprar, no entanto, uma coisa que a gente já percebeu é que quase sempre os preços nos locais turísticos é mais inflado do que nos comércios frequentados pelos moradores locais. Vale muito a pena perguntar para algum morador da cidade onde encontrar os melhores preços.

20170108_132557.jpg

Uma das minhas comprinhas numa viagem à São Paulo, em 2016: achei um circulador arno antigo, na Feira da Benedito Calixto, por R$ 50,00. Eu já tinha outro igual em casa, que herdei da minha avó. Não pude deixar de trazer o parzinho e hoje tenho dois em casa, o que é bem útil, pois só temos ventilador de teto no nosso quarto. Nos demais cômodos, os “arnos” velhos de guerra salvam e ainda ficam um charme na decoração!

Presentes

Justamente pela nossa vibe de “baixo consumo” não costumamos trazer muitos presentes, em geral trazemos apenas algum agrado para os familiares mais próximos. Raramente trazemos objetos, quase sempre preferimos algum quitute típico da região. Em geral os preços são bons e assim ninguém é obrigado a botar na estante algo que não gostou só porque ganhou. A gente sempre acha uma opção de comida regional mais em conta e assim o presenteado fica feliz, come e acabou. Café, doces, queijos, embutidos, geléias, cachaças, vinhos, etc são apenas alguns dos exemplos de produtos locais que não são complicados de transportar.

DSC_1001.JPG

Feira de Orgânicos em Gonçalves-MG (abril/2018): Daqui levamos doces e compotas que serviram de presente para os familiares – comprar em feiras locais é uma forma de levar um presente regional, em geral mais em conta e ainda ajuda a fortalecer os produtores da região <3

 

Nossas viagens são quase sempre bem econômicas e nós estamos sempre em busca de novas dicas de economia. Você faz algo que não listamos aqui? Conta pra gente, queremos aprender ainda mais!

Faça sua primeira reserva pelo Airbnb com nosso link e ganhe R$ 130,00 em créditos em sua primeira viagem. Você não paga nada a mais por isto e nos ajuda a manter o blog no ar. Clique AQUI.
Faça sua primeira reserva pelo Booking com nosso link e ganhe R$ 50,00 em créditos após sua primeira hospedagem. Você não paga nada a mais por isto e nos ajuda a manter o blog no ar. Clique AQUI.
Importante: todos os aplicativos e sites citados aqui foram utilizados e testados por nós, indicamos apenas o que conhecemos e gostamos. 😉

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Michele disse:

    Eu amei o post e as dicas. Temos que ter em mente as prioridades e foi o que você falou com economia e planejamento da para viajar muitoo.

  2. Paula Gabi disse:

    Adorei todas as dicas e se organizando direitinho dá sim para fazer viagens mais econômicas! O Sky scanner e o passagens imperdiveis salvam minhas viagens!
    Abraçosssss

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *