Como usar o Couchsurfing e hospedar-se de graça no mundo todo

Aqui neste post contamos como foi a nossa primeira experiência hospedando-se pelo Couchsurfing. Se você não o leu, recomendamos muito que o faça antes de ler este texto – lá falamos sobre aspectos importantes para um bom uso da plataforma.

O que é?

Couchsurfing é uma plataforma de hospedagem solidária onde você pode pedir hospedagem a anfitriões em todo o mundo e pode também ser um anfitrião. Cada um oferece o que pode: um quarto privativo, quarto compartilhado, sofá da sala, espaço para que o hóspede traga seu colchão. A ideia é oferecer o cantinho que você tem!

Não há qualquer pagamento – quem hospeda, hospeda porque quer, pelo simples gesto solidário de acolher.

Você pode conseguir um local para ficar de graça em qualquer lugar do mundo!
Foto: Banco de Imagens pixabay.com

Como usar?

O cadastro é gratuito e bem simples: basta entrar no site e preencher os dados solicitados. A plataforma solicita algumas verificações, como documento de identidade e endereço, mas é possível usar sem tais confirmações. A diferença é que sendo um membro verificado você inspira mais confiança na comunidade e aumenta suas chances de conseguir uma hospedagem – muitos anfitriões preferem hospedar somente membros verificados.

Há uma primeira parte onde você descreve seus dados gerais, gostos e preferências, e uma segunda onde você descreve o que pode oferecer ao hóspede em sua casa (um quarto privativo, um local na sala de estar, etc.), item importante caso pretenda ser um anfitrião.

Há também uma parte para inserir fotos – ter boas fotos é importante para que os demais membros possam te conhecer melhor.

Como solicitar uma hospedagem?

Existem basicamente duas formas de fazê-lo:

Você pode criar uma viagem pública, onde você descreve a cidade para onde vai, as datas pretendidas, quantos hóspedes serão contando contigo e faz um pedido público. Seu pedido entra numa lista de “hóspedes procurando anfitriões” e todos os anfitriões da cidade podem vê-la e, se quiserem, te oferecer abrigo.

A plataforma é bem simples de usar!
Foto: pixabay.com

A outra maneira é você mesmo procurar os anfitriões e pedir diretamente, via mensagem direta, hospedagem a aquele que mais lhe agradar. Basta pesquisar a lista de anfitriões na cidade pretendida.

Como ser anfitrião

Ao preencher o seu perfil a plataforma solicita que você indique se aceita ou não hóspedes. As opções são:

Aceita Hóspedes – ideal para aquele momento em que você está mais propenso a receber em sua casa.

Talvez Aceite Hóspedes – é o que usamos. Como gosto de ser criteriosa ao aceitar um hóspede, analisando bem o perfil e as referências, percebendo se temos afinidades para uma boa convivência prefiro usar o “talvez”.

Não Aceita Hóspedes – indicado caso você não tenha como receber nenhum viajante em sua casa.

Quer conhecer pessoas – muita gente utiliza a plataforma para conhecer pessoas nas cidades onde estão, combinar passeios e viagens, etc. Então esta é uma boa opção para quem busca maior interação, independente de pedir hospedagem ou ceder um espaço em sua casa.

Estas opções podem ser mudadas a qualquer tempo, conforme sua disponibilidade.

Colocando as opções “Aceita Hóspedes” ou “Talvez Aceite” a plataforma mostra seu perfil nas primeiras posições na lista de anfitriões e um viajante pode te pedir hospedagem diretamente, via caixa de mensagens.

É possível também enviar uma mensagem privada a qualquer membro, antes mesmo de pedir hospedagem, para tirar dúvida ou já estabelecer contato.

Quanto custa ter a conta verificada?

O cadastro no site não custa nada, dá para pedir e oferecer hospedagem sem qualquer custo, mas para ter uma conta verificada é preciso pagar uma taxa única e vitalícia de 60 dólares.

DICA IMPORTANTE: Outra forma de ter uma conta verificada sem pagar a taxa é hospedando viajantes. A cada hospedagem confirmada, a plataforma te dá 03 meses de conta verificada, gratuita e cumulativamente. 🙂

Hospedando você ganha a conta verificada por 03 meses a cada hospedagem, o que estimula mais membros a serem anfitriões
Foto: pixabay.com

E a segurança?

Claro que nada nesta vida é absoluto, mas existem algumas regras importantes para evitar surpresas desagradáveis. Todo membro recebe avaliações seja como hóspede ou anfitrião e outros membros da comunidade podem também deixar uma referência pessoal para outro usuário. Eu tenho por regra não hospedar quem não tem avaliação ou referência pessoal. Mesmo quem tá começando na plataforma pode pedir aos amigos que lhe deixem referências e eu entendo que se você quer mesmo fazer parte da comunidade precisa correr atrás disto!

Outra questão é a conta verificada. Membros verificados tem que confirmar endereço na plataforma (recebemos um cartão do Couchsurfing via correios com uma senha para inserir no site e fazer a confirmação). Eu sempre dou preferências a membros verificados.

E claro, tem algo do feeling também. As vezes recebo pedidos de hospedagens quase grosseiros e não abro a porta da minha casa para quem não se empenhe em fazer um pedido decente, dizendo com clareza o porque me escolheu, de um modo claro e educado.

Até hoje já recebemos 7 viajantes em nossa casa e só tivemos boas experiências. 🙂

Dicas importantes

Muita gente acha que o Couchsurfing é só uma forma de conseguir hospedagem barata e isso é bem chato. A ideia da plataforma é fomentar a solidariedade, as trocas, as conexões e é bem indelicado ser acolhido na casa de alguém e mal interagir com a pessoa, achando que está num hotel. Sempre digo que se você não quer interação o melhor esquema é mesmo hotel.

Partilhar momentos é parte essencial da experiência Couchsurfing
Foto: pixabay.com

Se você será recebido por alguém tenha em mente que precisará dar algo em troca, mas não estamos falando aqui de dinheiro – que é proibido pela plataforma. Terá que dar seu tempo em conversa, ajudando no preparo de uma refeição compartilhada ou até mesmo levando um pequeno mimo de sua terra. Gentileza é a palavra de ordem!

O contrário também é verdadeiro: se você vai receber alguém não basta apenas entregar a chave da casa e sumir. Tenha ciência de que é delicado participar ainda que minimamente da rotina do hóspede, seja compartilhando um cafezinho ou batendo um papo quando ele chegar dos passeios. Ninguém precisa ficar escravo de ninguém, mas a plataforma perde todo seu sentido quando não há ao menos algum tipo de troca, seja uma conversa ou um momento compartilhado qualquer.

Foto: pixabay.com

Listamos aqui alguns pontos importantes para você ter sucesso em suas experiências:

  • Ter um perfil 100% preenchido e completo, de preferência com boas fotos. Suas chances de conseguir hospedagem aumentam muito se você se “mostra” melhor.
  • Ao ter um pedido recusado não entenda como algo pessoal. É muito comum o anfitrião não poder receber na data do seu pedido, afinal, é a casa dele e a vida dele. Você está viajando, ele tá vivendo a rotina normal com todos seus compromissos e atribuições.
  • Em geral pedir hospedagem com muita antecedência reduzem as chances de conseguir um sim. A maioria dos anfitriões conseguem saber se terão disponibilidade mais perto da data pleiteada pelo hóspede, afinal, pode surgir aquele imprevisto, uma viagem inesperada, um compromisso de trabalho de última hora… então sugiro entrar em contato de 2 a 3 semanas antes da data desejada.
  • Não conte somente com o Couchsurfing – pode acontecer de nenhum anfitrião ter disponibilidade para te receber, então ainda que peça hospedagem na plataforma e espere até o último minuto (ofertas de última hora podem surgir) é importante ter um Plano B, como um contato de um hostel ou hotel para não ficar na mão.
  • Leia todo o perfil do anfitrião e, ao fazer seu pedido, deixe claro que leu tudo. Explique o porque o escolheu, mostre interesse por ele e diga de modo detalhado o que quer fazer na cidade. Suas chances aumentam muito!
  • Não faça pedidos em série e padronizados, faça pedidos pessoais e personificados de acordo com cada anfitrião. Já perdi a conta do tanto de mensagem bizarra, com meu nome errado (claramente copia e cola) e sem qualquer gentileza que já recebi. Recuso sem nem justificar.

Leia o post do Blog Cores do Mundo sobre o Couchsurfing, eles trazem informações importantes também!

Ficou com alguma dúvida? Escreve aqui nos comentários!

Boas experiências!

Salve no Pinterest e consulte sempre que quiser

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

14 Resultados

  1. Camila disse:

    Uma ideia fantástica! Viajar, se hospedar de graça, fazer novas amizades, ver como os locais vivem… quero experimentar

  2. Paula Gabriele disse:

    Sou suspeita para falar dos seus posts , sou fã demais do seu blog, cada post melhor que o outro! Já tinha lido muitos relatos de pessoas que se hospedaram em Couchsurfing mas nunca ninguém contando que hospedou alguém e acredito que seu post vai ajudar muitas pessoas! Acho a experiência maravilhosa, não sei se eu teria coragem, mas acho muito sensacional para quem tem!
    Big beijo

  3. Hebe disse:

    Adorei esse post. Gostei da dica. Valeu por dividir com a gente

  4. André Felipe disse:

    Muito legal a materia do couchsurfing, mas como frequentador desde 2012, aprendi que o CS é muito mais que uma simples hospedagem, é troca cultural, experiencias de vida, e a hospedagem é apenas um meio.
    Eu mesmo fquei impossibilitado de hospedar pessoas por um bom tempo, mas nunca deixei de contribuir de alguma maneira, sendo um coffee or bear, ou mostrando a cidade, participando de eventos , …
    Hoje mesmo só hospedo quem já conheço de eventos, ou se a pessoa fizer um couch request muito bom, do contrário declino na hora (por ultimo só recebi requests de pessoas que só queriam um lugar pra dormir).

    • Vanessa Barreto disse:

      Oi André Felipe!
      Verdade, você tem toda razão. Pra gente CS é muito mais do que querer um lugar para dormir – é troca, vínculo, afeto, solidariedade. Nós também recusamos todos os pedidos onde não percebemos que há este entendimento de modo claro.
      Para quem sabe usar é uma ferramenta incrível e pelo seu relato deu pra ver que você é um CS dos bons! <3

  5. Juliana disse:

    Adorei seu post Van! Eu acho o couchsurfing uma rede maravilhosa, ainda mais pra quem entende que não é hospedagem de graça. Grande beijo.

  6. Dora disse:

    Adoro a ideia do Couchsurfing, sempre tive um pouco de medo, mas seu post me inspirou a procurar mais sobre para uma próxima viagem.

  7. Nossa! Eu sempre quis saber mais sobre couchsurfing, sempre tive vontade, mas como sou casada, e meu marido é bem fechado no quesito colocar desconhecidos dentro de casa, eu acabei nem pesquisando.
    Mas lendo seu blog, percebi que é ainda mais interessante do que eu imaginava! Parabéns pelo Post, Super completo.

    • Vanessa Barreto disse:

      Cintia, inicialmente Leonardo também ficou meio cismado, mas conversa de lá e de cá ele acabou topando e tivemos experiências bem legais. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *