Dia 02 pela Grande São Paulo: Templo Zu Lai de Cotia e a Rota do Vinho em São Roque

Neste post você viu que nós fizemos um roteiro de 03 dias por cidades da Grande São Paulo com Giro no Mapa.

Aqui contamos sobre o dia 01, em que exploramos a cidade de Osasco.

No segundo dia, Alan nos levou para conhecer o Tempo Zu Lai, na cidade de Cotia. Trata-se do maior templo budista da América Latina, com uma área construída de 10mil metros quadrados.

DSC_0339DSC_0348DSC_0349DSC_0355
 

Tem lojinha com artigos e livros budistas, cafeteria com Yakisoba, lanches e salgados vegetarianos, doces, café, chás, sucos e água; e também um refeitório com buffet livre a R$ 30,00 adultos e R$ 22,00 crianças – abre somente aos finais de semana.

DSC_0360DSC_0363DSC_0365DSC_0366DSC_0370DSC_0371DSC_0373
 

A visita é gratuita  e ocorre de terça a sexta de 12 as 17 hs e aos finais de semana e feriados de 09:30 as 17hs. As segundas não abre. Existem algumas regras a serem seguidas, tanto em comportamento como vestuário, dêem uma olhada no site que tem tudo bem explicadinho.

DSC_0343DSC_0344DSC_0367DSC_0369

 

Na parte da tarde seguimos para São Roque-SP, a 30 Km dali, para conhecer o Roteiro do Vinho. A rota é formada pela Estrada do Vinho, Estrada dos Venâncios e Rodovia Quintino de Lima. Nestes caminhos encontramos muitas vinícolas, pousadas e restaurantes.

Paramos em quatro vinícolas: Palmeiras, Canguera, Goés e XV de Novembro. Em todas é possível degustar dos vários tipos de vinho e também suco de uva.

A primeira vinícola que paramos, a Palmeiras, parece ter como carro chefe o vinho tinto suave, e eu prefiro vinho seco.

DSC_0376

Vinícola Palmeiras

DSC_0378

Vinícola Palmeiras

DSC_0380

Vinícola Palmeiras

 

Depois paramos na Canguera e esta eu gostei bem mais – trouxe um vinho tinto seco deles pra casa.

DSC_0388DSC_0389

DSC_0390

Alan, o motorista da rodada, só podia degustar suco de uva kkkkkk

DSC_0392

A Canguera tem produtos mais diversificados, com vinhos suaves e secos de várias cepas de uvas

DSC_0393

Além de degustação de vinhos e suco a Canguera oferece também venda de doces, embutidos e cafés

DSC_0394

Outro diferencial da Canguera é a bela área externa: lugar bonito para relaxar e fotografar

DSC_0396

 
Paradinha rápida na XV de Novembro, que não me chamou atenção nas degustações

DSC_0399.JPG

Lojinha bem pequena e simples

A última vinícola visitada foi a Goés, acredito que a maior (e mais imponente). Ela conta com área ampla de estacionamento, que comporta ônibus inclusive. Justamente pela estrutura e fama ela quase sempre está cheia.

DSC_0381DSC_0382DSC_0385DSC_0386
 
Para o almoço Alan sugeriu o português Quinta do Olivardo.

DSC_0416

Um dos pratos mais famosos da casa e indicado pelo simpático garçom que nos atendeu: Leitão com batatas e arroz com brócolis

DSC_0419

DSC_0421

Os visitantes podem andar à vontade pelas plantações de uvas

DSC_0426

Além da área interna o restaurante conta com uma área verde externa imensa, com vários tipos de atividade de lazer. Na foto vemos também a “Tasca da Bairrada”, uma espécie de bar onde são servidas porções e comidinhas mais no estilo petiscoDSC_0406DSC_0408DSC_0411DSC_0412DSC_0414

DSC_0429

DSC_0430

É perfeitamente possível passar o dia todo por lá, só curtindo a área verde, inclusive vimos muitas famílias fazendo isto

E em mais um dia de giro pela Grande São Paulo com Alan, do “Giro no Mapa” a gente se deu conta do tanto de coisa que tem pra ver e fazer, muitas vezes bem perto de casa. O Roteiro do Vinho está apenas há 50 km da capital e cabe muito bem num final de semana ou até mesmo num bate volta.

Saiba mais:
Templo Zu Lai de Cotia
Quinta do Olivardo
Roteiro do Vinho de São Roque
 
LEIA AQUI sobre o dia 01 de nosso roteiro pela Grande São Paulo: conhecendo Osasco
LEIA AQUI sobre o dia 03 de nosso roteiro pela Grande São Paulo: conhecedo Mogi das Cruzes e Guararema

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *