Igrejas que você não pode deixar de conhecer em Salvador

Dizem que Salvador tem pelo menos uma igreja para cada um dos 365 dias do ano. Se contar com os demais templos religiosos não católicos este número certamente será ainda maior. Não há como pensar em conhecer Salvador sem visitar parte destas preciosidades artísticas e históricas – algumas foram construídas no século XVI e muitas nos séculos XVII e XVIII.

Igreja e Convento de São Francisco (1723)

A única igreja de Salvador que recebe 5 estrelas do Guia 4 Rodas. Esta “nota” indica que o atrativo por si só já vale a viagem, são poucas no país todo com este prestígio. O largo com um cruzeiro, no coração do Pelourinho, e a fachada simples são as marcas da parte externa destes que é, sem dúvidas, um dos templos religiosos mais incríveis de Salvador.

Por dentro, contudo, não falta exuberância e imponência. A quantidade de ouro e a expressividade dos detalhes fazem dela a maior representante do barroco na Bahia. Não existem paredes nuas – para onde você olhar, avistará ouro ou arte.


Crédito: Márcio Filho – MTUR
Créditos: Márcio Filho – MTUR

A área do convento é belíssima e ostenta vários painéis em azulejos portugueses do Séc XVIII retratando cenas bíblicas.

A plaquinha indica a cena a qual a obra de arte se refere, escrita em português, inglês, alemão, francês e espanhol

A visita custa R$ 5,00 por pessoa.

Largo do Cruzeiro de São Francisco, s/n (Pelourinho).

Catedral Basílica (1672)

Segundo o mesmo Guia 4 rodas, esta é a única igreja de Salvador a receber 4 estrelas, o que significa “não deixe de ir” – a gente considera que qualquer local ou evento indicado com 5 ou 4 estrelas no Guia 4 Rodas deve fazer parte do nosso roteiro.

A catedral de Salvador é de 1672, foi restaurada há alguns anos e está impecavelmente linda. Painéis com azulejos portugueses, altares laterais com entalhes de dourados e um teto muito alto em relevo são seus destaques.

Olhe o tamanho do moço à direita: dá pra ter uma ideia da grandiosidade desta Igreja

A visita custa R$ 5,00 por pessoa.

Terreiro de Jesus, s/n, Pelourinho.

Nossa Senhora da Conceição da Praia (1849)

Leonardo queria muito conhecer esta igreja. Como ela fica na cidade baixa, não a visitamos quando estivemos no Pelourinho (que fica na parte alta), mas ele fez questão de voltar só para conhecê-la.

A Igreja foi pré-fabricada em Portugal – possui pedras que foram trazidas do além-mar, unidas com óleo de baleia. Mistura o estilo neoclássico com rococó, muito bem destacado pelas pinturas em perspectiva no teto.

Visitação gratuita.

Largo da Conceição da Praia, s/n, Comércio.

Senhor do Bonfim (1745)

Um dos cartões postais mais queridos de Salvador, é nela que turistas e fiéis prendem as famosas fitinhas coloridas. Toda a grade que a cerca é ornada com as fitinhas, tornando-a um cenário clássico para aquela foto da viagem!

Leva o nome do padroeiro da Bahia e em suas escadas ocorre a tradicional festa da lavagem do Bonfim, quando baianas do Candomblé lavam as escadarias da Igreja, numa cerimônia inter-religiosa que é uma das marcas da diversidade da religiosidade baiana.

Comparando com outras Igrejas da Bahia, é até simples, mas guarda muitas riquezas históricas e artísticas, como os azulejos portugueses com passagens bíblicas

A visita à igreja é gratuita, mas no alto da torre tem um Museu de Arte Sacra que custa R$5,00 a visitação, por pessoa. Estacionamento para carros em frente à Igreja, por R$ 10,00.

A abordagem de ambulantes no entorno da igreja é tão incisiva quanto no Pelourinho. Eles tentam vender as fitinhas de um modo por vezes insistente, mas nós achamos até bem tranquilo: é só agradecer e seguir andando que eles te deixam em paz.

Mas pode ser uma boa ideia comprá-las. As fitinhas são um souvenir interessante e barato da viagem, dá pra levar várias e presentear. Dizem que se você fizer um pedido ao amarrá-la no pulso, quando a pulseirinha arrebentar (naturalmente) ele será atendido.

Largo do Bonfim, s/n.

Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (1796)

Compõe um dos cartões postais do Pelourinho, com belo conjunto de azulejos na capela e entalhe de madeira nos altares. Nas missas é comum o uso de instrumentos que remetem à cultura africana, como tambores e atabaques.

Crédito: Márcio Filho – MTUR

Visitação gratuita.

Largo do Pelourinho, s/n.

Ordem Terceira de São Francisco (1703)

Possui fachada que foge ao estilo colonial que habitualmente vemos nas demais igrejas da Bahia. Foi inspirada na arquitetura da Universidade de Salamanca, na Espanha.

Em seu interior tem pátio revestido de azulejos portugueses e Museu de Arte Sacra com acervo riquíssimo!

A visitação custa R$ 5,00 por pessoa.

Rua da Ordem Terceira de São Francisco, s/n, Pelourinho. (Fica ao lado da Igreja e Convento de São Francisco, que abre este post)

Queríamos também ter visitado a Igreja Nossa Senhora do Carmo, mas ela estava fechada. 🙁

Estas são as igrejas mais famosas e importantes de Salvador, mas se você tem um interesse especial nesta temática e quer conhecer outras, aqui tem várias das igrejas, organizadas por séculos.

Salve, Salvador!

Agradecemos ao amigo e anfitrião Gabriel Pinheiro, que nos acompanhou em quase todos os passeios na cidade, incluindo as Igrejas.

Salve no Pinterest e consulte sempre que quiser

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

13 Resultados

  1. Maiara Barbosa disse:

    Quanta riqueza nessas igrejas! Tão diferentes entre si, mas tão importantes para a nossa história! Por isso que eu digo: independente da religião, visitar as igrejas é sempre um passeio válido!

  2. Carol disse:

    Vanessa, que riqueza de detalhes e que roteiro atípico e tão pouco falado pra Salvador. Confesso que quando voltar, vou querer visitar todas elas.

  3. Hebe disse:

    Adorei esse post. Nunca fui a Salvador , mas quando for vou olhar suas dicas . Adoro visitar igrejas

  4. Nossa! Não sabia que Salvador tinha igrejas tão maravilhosas! Quanto ouro! Parece ouro preto, mas algumas destas parecem ser ainda maiores!

  5. Vanessa, ler seu post foi um verdadeiro “sofrimento” para mim. Estou aqui numa agonia só, PRECISANDO ir imediatamente para Salvador. Eu sou o louco das igrejas. Adoro visitá-las! Como são maravilhosas! Seu post será meu guia de viagem. Assim como os demais que tão bem retrataram Salvador. Apaixonado pela descrição e pelas fotos! Quanta beleza e história! Amei!

    • Vanessa Barreto disse:

      Lucio, eu consigo até ver você percorrendo cada uma destas Igrejas e se maravilhando com elas. Salvador é uma cidade incrível, de grande riqueza histórica e cultural, além de oferecer hotelaria de primeira e restaurantes premiados. Apenas vá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *