Nossa hospedagem em Paraty pelo Airbnb: a casinha amarela de janelas azuis

Como estávamos já há muitos dias na estrada – vide o roteiro “Eu prefiro as curvas da estrada de Santos”, mais uma vez optamos por alugar uma casa. Pelo Airbnb encontramos uma opção um pouco mais distante do centro, mas que nos pareceu perfeita: uma casa pequena, de quarto e sala, cozinha bem equipada, com wifi, garagem e o principal para este momento da viagem: máquina de lavar! Já estávamos há mais dias na estrada e em viagens longas poder lavar roupas é uma mão na roda. Sempre que possível optamos por uma hospedagem que nos permita lavar roupas, estrategicamente posicionada no meio do roteiro.

O anfitrião foi muito gentil e nos recebeu no horário correto para o checkin presencial. Deu dicas da cidade e sempre manteve-se disponível pelo whatsapp. Tivemos um pequeno problema com a torneira da cozinha que quebrou, impossibilitando seu uso. Informamos ao anfitrião sobre e ele se dispôs a enviar alguém para o reparo. Contudo isto nos tomaria tempo, pois precisaríamos estar na casa para receber o profissional que faria o reparo e estávamos muito mais interessados em passear. Agradecemos a disponibilidade dele e seguimos lavando louça no tanque. (Deixamos claro aqui que ele colocou-se disponível para resolver o problema, nós é que optamos em achar outra saída para não perder nossos passeios)

A casa era simples mas muito bem arrumada. Tinha todo o básico que precisávamos e além de tudo era uma graça, destas típicas casas caiçaras: simples, mas com bom conforto. O anfitrião mora na casa e quando a aluga, fica num barco – coisas de Paraty. Então vários objetos pessoais dele estavam pela casa, incluindo a geladeira com temperos e outros itens de consumo, que nos foi ofertado para uso, mediante reposição se necessário, tudo pautado pelo bom senso. Foi até engraçado porque quando chegamos ele estava ainda tirando suas coisas da casa e na pressa acabou esquecendo alguns itens de higiene pessoal no banheiro e me mandou uma mensagem perguntando se poderia buscar. Acho que alguns hóspedes poderiam se incomodar com esta “proximidade” e com o fato de estar numa casa que tem um dono, e não numa casa “clean”, própria para aluguel. Nós nos incomodamos é com falta de privacidade e sossego, e definitivamente isto não aconteceu: depois de buscar os pertences esquecidos só tivemos contato com o anfitrião online e no momento do check-out.

20170925_090653

Sala de estar. A direita, o balcão da cozinha americana. A porta dá saída para a área de serviço, com tanque e máquina de lavar.

20170925_090656

Não aparece na foto, mas há uma cama tipo sofá na sala. Ao fundo o quarto, com uma cama de casal e uma de solteiro e o banheiro, na porta à direita.

O custo benefício foi incrivelmente bom: pagamos R$ 85,00 o dia, para nós dois (o valor varia de acordo com a época, verificar no site do Airbnb).  Roupa de cama e toalhas foram  fornecidas, tudo bem limpinho. 

O acesso ao centro histórico é muito fácil para quem está de carro: apenas 10 minutos por estrada pavimentada e tranquila. Bem perto tem ponto de ônibus, mas não posso dizer sobre, já que não utilizamos transporte público por lá. Tem também um mercadinho pequeno, com itens de mercearia e limpeza, que dá pra ir a pé. Este é o único comércio da região, então é necessário trazer compras de outros locais: tem um supermercado maior na praia da Jabaquara, a uns 5 minutos de carro da casa. A vizinhança pareceu muito tranquila e o silêncio a noite era a melhor parte: acredito que no centro histórico, dependendo do dia, o ruído vindo das ruas pode comprometer o sono.

Com toda a certeza voltaríamos a nos hospedar lá. Espero que “minha casinha amarela de janelas azuis” ainda esteja disponível na próxima vez que voltar a Paraty. 🙂

No link da hospedagem tem fotos bem melhores:

https://www.airbnb.com.br/rooms/19951545

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *