O que fazer em Aiuruoca, MG

Aiuruoca é uma simpática cidadezinha do interior mineiro de 6 mil habitantes. A sede do município está localizada a 989 metros de altitude, aos pés do Pico do Papagaio, montanha símbolo-mor da cidade numa região de topografia bastante acidentada.

Localizada numa região de águas muito límpidas, ar puro e de grande beleza, Aiuruoca tem chamado atenção de turistas que procuram na cidade um refúgio para descanso ou atividades na natureza. São 367 km da capital mineira e 347 km de São Paulo.

Ficamos 03 dias na cidade para fazer a subida ao Pico do Papagaio, um dos principais atrativos, e vamos aqui deixar dicas para você programar a sua viagem.

Cachoeiras

São muitas as cachoeiras na cidade, incluindo opções muito fáceis, destas que você caminha pouco para chegar até aquelas que exigem um pouco mais de esforço. O Trip Advisor lista as principais.

Nós conhecemos duas delas, a Cachoeira dos Garcias e a Cachoeira Deus me Livre.

A Cachoeira dos Garcias é a mais famosa da cidade. Fica na propriedade da família Garcia, onde tem também o Restaurante da família (falaremos dele mais à frente). Fica em zona rural e para chegar é preciso percorrer uma média de 15 kms do centro de Aiuruoca por uma estrada razoavelmente boa. Fomos de carro baixo e foi tranquilo.

Você pode estacionar na propriedade e acessar a Cachoeira por uma escada que se inicia ao lado do restaurante. A melhor pedida é conjugar a visita à cachoeira com o almoço por lá, vale muito a pena.

É bem comum também trilheiros descerem do pico e almoçarem lá, uma das rotas possíveis chega justamente na terra dos Garcias. Foi mais ou menos o que fizemos, mas descemos pela rota que sai no Abrigo de Montanha Horizonte Vertical, pegamos o carro e de lá, fomos almoçar nos Garcia.

A Cachoeira é maravilhosa! Uma queda de 30 metros de altura termina num poço delicioso para banho. Estava tão frio, mas tão frio (junho, imaginem!) que não animamos entrar e olha que a gente costuma ser animado!

Para chegar é só jogar no Google Maps, que localiza certinho o local, não tem erro.

Já a Cachoeira Deus me Livre conhecemos enquanto estávamos Hospedados na Estalagem Mirante. Fomos a pé pela estrada de terra, partindo da pousada, até a entrada de uma pequena Fazenda. É só abrir a porteira e seguir pela trilha demarcada. Na dúvida, pergunte a algum trabalhador do local.

Uma trilha de uns 25 minutos nos leva à Cachoeira. Trilha tranquila, quase sempre plana. Quando mais próximo da cachoeira ela vai por mata fechada, mas não há risco de se perder- neste ponto já avistamos o rio.

A cachoeira é uma delícia, um poço muito bom para banho. Chegamos meio tarde e não havia sol, o que dificulta um pouco o banho – a água é gelada!

Ela também está no Gmaps, então é bem fácil de localizar.

Pico do Papagaio

O Pico do Papagaio, o principal chamariz turístico da cidade, possui 2.105 m de altitude e é a principal formação rochosa de uma cadeia de montanhas pertencente à serra da Mantiqueira localizada no Parque Estadual da Serra do Papagaio. Pode ser avistado de praticamente toda a cidade.

Para chegar ao topo existem várias opções de trilha, partindo tanto de Aiuruoca como de vilarejos próximos, como o Vale do Matutu.

Nós subimos pela trilha da Face Norte, que sai de dentro das terras do Abrigo de Montanha Horizonte Vertical. A subida é puxada no início e exige um pouco mais de preparo físico.

O que mais comumente se faz é acampar numa área gramada na base do Pico e, deixando lá o peso, subir ao cume só com uma mochila menor. Outros trilheiros optam por acampar no Retiro dos Pedros, que foi o que nós fizemos. Subimos então com tudo nas costas o que acabou sendo bem cansativo.

É possível fazer a trilha com aplicativos como o Wikiloc (foi o que fizemos), mas se você não tem experiência com trilhas mais longas em montanha convém contratar um guia profissional. O Pedro, do Abrigo Horizonte Vertical faz este serviço.

Veja AQUI a trilha no Wikiloc.

Queijos e Azeites

Aiuruoca tem uma produção significativa de queijos e azeites. Você pode visitar os produtores ou comprar na cidade produtos deles. O Azeite Olibi é bem famoso na região, e é possível visitar a produção, não chegamos a fazê-lo por falta de tempo, mas se você for conte pra gente o que achou. 🙂 (No site deles tem as orientações para agendar a visita).

Se o tempo é curto (como foi no nosso caso) ou se você quer de um modo mais prático poder ter acesso aos produtos num mesmo lugar, recomendo muito uma visita ao Armazém Macieira. Na loja você encontra queijos, azeites, doces, biscoitos e vários produtos da região. Dá pra fazer um lanche, tomar um café e o atendimento é muito bom.

DICA: Por recomendação do jornalista Eduardo Girão, um grande conhecedor, pesquisador e divulgador do queijo mineiro, compramos o Queijo GOA e não nos arrependemos!

Considere também dar uma esticada até a vizinha Alagoa, onde você encontra um dos melhores queijos mineiros que já tivemos o prazer de conhecer. Temos vários posts falando de Alagoa.

Gastronomia

Embora ainda pequena, a cidade de Aiuruoca tem crescido e se movimentado no sentido de ofertar mais opções aos visitantes. Neste sentido, destacamos dois lugares:

Canto do Papagaio

O Canto do Papagaio é um complexo que reúne Pousada, Hostel e Restaurante num mesmo espaço. Basta deixar o carro no estacionamento e atravessar, a pé, uma pequena passarela.

A área verde é linda e rende um belo passeio e descanso. Partindo a pé dali é possível acessar a prainha (coisa de 5 minutos de caminhada leve), ampla área para banho. De lá parte também a trilha para a Cachoeira do Tombo.

Visitamos o local para almoço. A comida é vegana e gostamos muito de ter provado novos sabores.

A visitação à área externa, prainha e cachoeira não é cobrada. Anexo ao restaurante tem uma livraria e espaço para aulas. O local é também centro de estudos e retiros budistas.

Restaurante Casal Garcia

Numa charmosa casa com vista para as montanhas está o Restaurante da família Garcia. É sem dúvidas o local mais indicado para aquele almoço mais elaborado ou para um jantar a dois. Convém ligar antes de ir para saber do funcionamento.

Nos arredores

Bem pertinho de Aiuruoca está o belo Vale do Matutu, uma área de proteção ambiental que fica a 18 kms da cidade, por estrada de terra. O vilarejo é uma graça e é perfeito para descansar e se desligar. São poucas opções de hospedagem e alimentação, é muuuuito pequeno mesmo.

Para comprar queijos visite a vizinha cidade de Alagoa, colocamos mais acima link para tudo o que já postamos de lá.

Onde se hospedar

Ficamos em dois lugares diferentes em Aiuruoca, cada qual com uma proposta. Para fazer a trilha do Pico do Papagaio uma ótima opção é ficar no Abrigo de Montanha Horizonte Vertical. Tem uma trilha que sai de lá e o dono, Pedro, é guia e conhece tudo na região, o que facilita muito as coisas.

O Abrigo é super bem equipado e tem quartos com camas beliche e banheiro compartilhado, no estilo hostel, além de cozinha completa. Fica bem afastado então é essencial ter tudo à mão. Pagamos R$ 100,00 o pernoite para nós dois em junho/2019 e achamos um ótimo custo benefício. Como nos hospedamos em dia de semana, fomos os únicos hóspedes.

Na noite anterior da subida ao Pico
De manhã cedo, antes de iniciar a subida

Depois de subir o Pico e pernoitar em acampamento selvagem lá em cima, seguimos para a Estalagem Mirante. Estávamos cansados e ainda teríamos duas noites em Aiuruoca, então a ideia era poder ficar num local mais privativo e confortável. Contamos mais da hospedagem neste post.

Você pode ver outras opções de hospedagem pelo Booking e Airbnb.

Lembrando que reservando sua 1ª hospedagem no Airbnb com nosso código você ganha um desconto de R$ 130,00. 😀

Fazendo uma reserva no Booking com nosso link você ganha R$ 50,00 para usar em próximas hospedagens. 😉


A Ju do Blog Além da Curva também contou da sua experiência em Aiuruoca.

Salve no Pinterest e consulte sempre que quiser

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *