Roteiro de 05 dias em Salvador

Salvador guarda riquezas históricas, culturais, arquitetônicas e naturais para turista nenhum botar defeito. Tem atrativos pra todos os tipos de público. Montamos este roteiro de 05 dias pensando em quem quer ver o principal da cidade, mas é claro que você pode adaptá-lo à suas necessidades e desejos!

A foto que abre este post é um trabalho incrível do fotógrafo Márcio Filho, do MTUR.

Dia 01

Pelourinho

Um bom ponto de partida é o Mercado Modelo, um dos pontos turísticos mais famosos de Salvador. Ele abre as 09 da manhã, então já dá pra começar cedo o primeiro dia de passeios.

Percorra os corredores, fuce as barraquinhas e veja os artesanatos e quitutes vendidos por lá. No segundo andar tem restaurante com vista para o mar. Atenção: não faça de cara todas as compras no Mercado Modelo, encontramos os mesmos produtos com preços em média 30% mais em conta nas lojas do Pelourinho.

Mercado Modelo, na cidade baixa e o famoso Elevador Lacerda, que liga a cidade baixa à cidade alta, onde se encontra o Pelourinho
Crédito: Márcio Filho- MTUR

Ainda na cidade baixa aproveite para visitar a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, de 1849.

Igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia

Depois de visitar o Mercado Modelo e a Igreja é hora de partir rumo à Cidade Alta. Suba pelo Elevador Lacerda (R$ 0,15) até o local mais famoso de Salvador, o Pelourinho.

Créditos: Márcio Filho – MTUR

O Pelourinho guarda muitas atrações e vale um dia inteirinho só batendo perna e curtindo o lugar, mas vamos indicar aqui as atrações que consideramos imperdíveis, caso você precise otimizar seu tempo por lá.

Visite a Igreja e Convento de São Francisco (R$5,00) e a Catedral Basílica (R$5,00) , ambas incríveis. Vale muito a pena ver também a Igreja da Ordem Terceira de São Francisco (R$5,00) e a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (grátis), neste post contamos detalhes de cada uma delas.

Aproveite para andar a pé pelas ladeiras históricas do Pelourinho. O Centro Histórico de Salvador é Patrimônio da Humanidade e reúne uma série de igrejas, museus, lojas, ateliês, bares, restaurantes e pousadas. Aproveite para provar da culinária baiana num dos vários restaurantes – tem desde opções mais sofisticadas a mais simples.

Dos museus da região do Pelourinho nós escolhemos visitar o incrível Museu da Misericórdia e falamos dele neste post.

Não deixe de parar no Cravinho, para provar da bebida que só é vendida no Pelourinho, veja detalhes AQUI.

Para a noite é possível assistir a uma apresentação do Olodum ou do Balé Folclórico da Bahia. Não deixe também de apreciar o pôr do sol da Cidade Alta.

Casa do Olodum, Pelourinho
Créditos: Márcio Filho – MTUR

Dia 2

Praia + Rio Vermelho

Estamos na terra de Iemanjá e nada melhor do que dar um belo mergulho no mar! Sugerimos começar a manhã com uma caminhada pelo calçadão da praia do Farol da Barra, um dos cartões postais de Salvador. Aproveite para visitar o Museu Náutico da Bahia, que fica no forte do Farol.

Farol da Barra
Crédito: Gabriel Pinheiro

A praia do Farol da Barra é muito bonita e convidativa para um belo mergulho. Tem boa estrutura, com cadeiras e guarda-sóis para aluguel, bem como serviço de ambulantes com venda de alimentos, bebidas e de tudo um pouco.

Dica: Se quiser sossego e fugir do assédio dos ambulantes, fique nas piscinas naturais, bem do lado do Farol, já na praia do Porto da Barra. Não tem faixa de areia direito, tem que ficar meio que em cima das pedras, mas é bem mais tranquilo e o banho de mar é delícia!

O “cantinho do sossego” fica depois do Farol, considerado o ângulo desta foto

A tarde siga para o bairro do Rio Vermelho. Comece visitando a Casa de Jorge Amado, depois aproveite para conhecer o Mercado do Rio Vermelho. Se tiver pique aproveite que está no Rio Vermelho e já curta a noite do bairro, onde você poderá provar os famosos Acarajés da Dinha e da Cira.

A Casa de Jorge Amado: local onde o escritor viveu por mais de 40 anos com a esposa, Zélia Gattai
Mercado do Rio Vermelho: mercado regional que vende produtos frescos da Bahia e é frequentado muito mais pelos moradores do que pelos turistas. Uma experiência rica e genuína em sabores e na cultura da Bahia. De comida, à artesanato e até artigos religiosos

Dia 3

Igreja do Bonfim + Ribeira

Em seu terceiro dia em Salvador você pode explorar outra região da cidade e conhecer a famosa Igreja do Bonfim, contamos mais dela neste post.

É na Igreja do Bonfim que vemos as famosas fitinhas, marca registrada de Salvador

Perto dali tem um restaurante delícia para provar a famosa moqueca baiana, Recanto da Lua Cheia. Além dos saborosos pratos a vista é incrível. Ali dá pra parar para o almoço e ficar um bom tempo bebericando e contemplando, mas atenção: costuma ficar cheio, para conseguir uma mesa com vista para o mar tem que chegar cedo!

De lá siga até o tradicional bairro da Ribeira e tome um dos famosos sorvetes de sobremesa. A Sorveteria da Ribeira é de 1931 e oferece mais de 60 sabores, incluindo frutos tropicais e exóticos.

Se você é de praia pode optar por começar ou finalizar seu dia com outro banho de mar, ali na região do Bonfim tem as praias da Boa Viagem e praia do Meio, ambas com boa estrutura de barracas. Ainda dá pra curtir o fim de tarde na Ponta do Humaitá, logo depois do Forte de Mont Serrat. Tudo pertinho!

Praia da Boa Viagem, vista do Forte de Mont Serrat
Pôr do sol na Ponta de Humaitá
Crédito: Gabriel Pinheiro

Dia 4

De volta ao Pelourinho

Muito provavelmente você vai querer voltar ao Pelourinho para ver o que não deu tempo ou rever algo que gostou muito. Este é o melhor momento para comprar lembrancinhas de viagem.

Se sobrar tempo dá pra conhecer também o Dique do Tororó e a Arena Fonte Nova– do Pelourinho até lá são 10 minutos de carro. Se você é fã de futebol é possível visitar o Estádio de 6ª a domingo, veja AQUI os detalhes.

Dique do Tororó, com as famosas estátuas dos Orixás e a Arena Fonte Nova, ao fundo

Dia 5

Circuito Museus

Se você gosta de arte e cultura reserve um dia para percorrer a pé o “Corredor da Vitória” , o trecho da Avenida Sete de Setembro que vai do Largo da Vitória até o Campo grande. Ali existe uma concentração de museus que merecem destaque, como: Museu Geológico da Bahia, Museu Carlos Costa Pinto, Museu de Arte da Bahia e Palacete das Artes.

Visitamos os últimos dois (tivemos que escolher por questão de tempo e prioridades).

O Museu de Arte da Bahia é o museu mais antigo do Estado, criado em 1918. Possui em seu acervo mais de 13 mil peças incluindo coleções de pinturas, mobiliário de época e muitos objetos que foram de famílias tradicionais que viveram em Salvador – as peças nos permite viajar pelo Brasil colonial. A visitação é gratuita.

Estivemos também mais de uma vez no Palacete das Artes. Tem um café delicioso e paramos lá para uma “pausa” nas andanças. O belíssimo casarão é rodeado por jardim com bancos para descanso e várias esculturas de Rodin.

Café do Palacete das Artes: lugar delícia para uma pausa nos passeios

Além de acervo próprio, o Palacete tem galerias de exposições temporárias e demos a sorte de pegar a abertura de uma exposição fotográfica sobre os Filhos de Gandhy.

Outro museu que merece destaque em Salvador é o Museu de Arte Moderna de Salvador, dá pra ver um pôr do sol incrível de lá, então ele é uma boa pedida para fechar o dia de museus do roteiro. Um uber do Corredor da Vitória até o MAM fica em torno de R$ 10,00.

Mais dias?

Se você tem mais dias em Salvador, considere conhecer as Praias do Litoral Norte: Flamengo, Stella Maris e também Itapuã.

ATENÇÃO!!! Itapuã é um clássico em Salvador, a música de Vinicius e Toquinho já dizia “é bom passar uma tarde em Itapuã”. Contudo é preciso atenção para visitar a região: o local infelizmente tem sido palco de assaltos, então recomendamos somente para visitas em grupo ou num esquema mesmo mais seguro. (Um turista argentino foi morto num assalto lá num dos dias que estávamos na cidade, veja AQUI).

O belo Farol de Itapuã
Crédito: Márcio Filho – MTUR

Mais ao norte, já saindo de Salvador e adentrando municípios vizinhos, existem praias lindíssimas, como a famosa Praia do Forte. O ideal para quem tem mais dias e disposição é alugar um carro e desbravar!

É possível também fazer passeios de barco e conhecer Morro de São Paulo, Ilha dos Frades, Ilha de Itaparica, etc.

Onde e o que comer?

Nosso roteiro em Salvador teve como foco conhecer os principais pontos turísticos e experienciar a cidade de um modo mais genuíno, então comemos na, maioria das vezes, em locais pouco turísticos. Contudo listamos neste post comidas típicas que você pode provar lá e citamos alguns dos locais onde estivemos.

Notas finais

Visitamos Salvador em fevereiro de 2019 e encontramos a cidade muito bonita, limpa e bem policiada. O Pelourinho é muito movimentado, inclusive a noite, mas obviamente há algum assédio em cima dos turistas, especialmente de vendedores e pedintes.

O único local que recebemos orientação do nosso anfitrião na cidade para evitar foi o Farol de Itapuã, o que é uma pena, trata-se de uma região linda. Então se você quer muito ir lá talvez compense contar com o apoio de guias locais ou grupos maiores.

Em todos os demais locais transitamos com muita tranquilidade, com os mesmos cuidados que temos em qualquer outra capital e curtimos muito nossa estada na Bahia.

Caetano já disse: ” Tudo, tudo na Bahia faz a gente querer bem. A Bahia tem um jeito“. E tem mesmo! Mas isto só indo até lá para descobrir!

Fomos hospedados e recebidos em Salvador pelo querido amigo Gabriel Pinheiro. Ele nos guiou pessoalmente em muito dos passeios e tem muito dele neste roteiro também, só temos a agradecer! <3

Salve no Pinterest e consulte sempre que quiser

Compartilhe:

Vanessa Barreto

Psicóloga por profissão, viajante por paixão. Acredito na força dos encontros, na potência das palavras e na beleza das pequenas coisas. Viajar é um modo de existir e de se reinventar e por quê não dizer terapêutico também?

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *